Banner 468 x 60px

 

4 de janeiro de 2014

Nove urnas funerárias de 500 anos são desenterradas em Macapá - Portal Amazônia

0 comentários
Arqueólogos acreditam que área tenha sido um cemitério de ameríndios de uma sociedade complexa




texto e fotos: Paula Monteiro - Portal Amazônia 

MACAPÁ- Nove urnas funerárias estão em processo de escavação em um residencial particular, localizado na Rodovia Juscelino Kubitschek, em Macapá. Há três dias arqueólogos trabalham no resgate dos artefatos descobertos por operários durante obras no empreendimento, no dia 24 de dezembro de 2013. 

No local, os arqueólogos descobriram entre as urnas, algumas antropomorfas, onde guardam restos mortais de humanos. Em uma é possível identificar a ossada de uma pequena criança com cabelos visivelmente preservados. “Ao que tudo indica, a região trata-se de um cemitério de uma sociedade complexa de ameríndios [índio nativo americano] que viveram a cerca de 500 anos atrás”, afirmou o arqueólogo e diretor do Centro de Estudos e Pesquisas Arqueológicas (Cepap), Edinaldo Pinheiro Nunes Filho.



Segundo o arqueólogo, a área de escavação pertence ao sítio arqueológico AP-MA: Vila Tropical, o qual começou a ser estudado em 2008. “Uma grande região próxima à Rodovia Juscelino Kubitschek, a qual engloba a Universidade Federal do Amapá (Unifap) e, atualmente, empreendimentos imobiliários apresenta grande potencial arqueológico”, disse. Os imóveis que comprometerem os sítios arqueológicos serão notificados pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A escavação deverá durar, em média, cinco dias e a expectativa da equipe é que sejam descobertas mais peças. O material será levado ao Centro de Estudos e Pesquisas Arqueológicas (Cepap), onde terá os estudos concluídos em quatro meses. “No laboratório iremos fazer uma pesquisa aprofundada, que precisará as informações à respeito dos achados”, finalizou o arqueólogo.

A recuperação dos artefatos acontece por meio do Museu de Arqueologia e Etnologia do Amapá(Mae/AP), Secretaria de Estado da Cultura (Secult), Centro de Estudos e Pesquisas Arqueológicas (Cepap) e o Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

0 comentários :

Postar um comentário