Banner 468 x 60px

 

26 de março de 2013

Entrevista: Lições ambientais escavadas no passado da Amazônia - OGlobo

0 comentários
Arqueólogo estuda sociedades indígenas que viviam na região antes dos portugueses e diz que estrago do patrimônio arqueológico é irreversível

Foto: Marcos Alves/O Globo


Entrevista

Eduardo Neves - Professor do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (USP)

Em um momento de dúvidas sobre a melhor maneira de encontrar uma harmonia entre o desenvolvimento econômico e a proteção ao Meio Ambiente, a solução pode vir do passado. Assim afirma o arqueólogo Eduardo Neves, professor do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (USP). O pesquisador estuda, há mais de 20 anos, a complexidade das sociedades indígenas que viviam na Amazônia antes mesmo da chegada dos portugueses. Em revistas e canais voltados à Ciência fora do país, o brasileiro já foi tema de inúmeras reportagens e também de documentários. No Brasil, onde nasceu, ainda é pouco conhecido. Seu trabalho não é pequeno. Mais de 200 sítios arqueológicos no Brasil já foram descobertos por Neves. Nesta entrevista, o arqueólogo fala sobre a diversidade biológica da Amazônia e a complexidade das civilizações que ali viveram no passado. Para ele, variedade oposta ao que é proposto hoje, citando a monocultura, criação extensiva de gado, geração de energia e exploração mineral com grandes impactos ambientais.

Em que consiste o trabalho arqueológico na Bacia Amazônica? 

- Há no novo mundo, em linhas gerais, dois tipos de arqueologia: arqueologia pré-colonial (ou “pré-histórica”, um termo um pouco anacrônico), que trabalha com os períodos anteriores ao início da colonização europeia, e a arqueologia histórica, que trabalha com os períodos posteriores ao início da colonização europeia. A arqueologia pré-colonial é a melhor fonte de informações que temos para entender a história dos povos indígenas que aqui viviam antes da chegada dos europeus. Assim, de maneira bem simples, a arqueologia pré-colonial americana pode ser definida como a história antiga dos povos indígenas que habitavam o continente. No caso daAmazônia, onde ainda é grande a população indígena, ao menos em termos comparativos com outras partes do Brasil, a arqueologia tem tido também um outro foco que é o entendimento da história milenar de relacionamento entre os antigos povos indígenas da região e os ambientes da floresta tropical equatorial.

Por que o senhor decidiu estudar as sociedades indígenas que viviam no Brasil antes da chegada dos portugueses?

- Eu sempre gostei muito de história e desde muito criança tinha uma curiosidade imensa em entender como era a trajetória histórica do Brasil antes da chegada dos portugueses. Sempre gostei também de viajar e ir para o mato. Acho que a curiosidade e a vontade de viajar me ajudaram.

Quantas pessoas lá viviam antes da chegada dos portugueses e como era a rotina deles?

- Ninguém sabe ao certo quantas pessoas moravam na Amazônia antes da chegada dos portugueses. Os arqueólogos trabalham com a hipótese de que cerca de 5,5 milhões de pessoas viviam em toda a Amazônia no início do século XVI. Há, no entanto, regiões imensas da bacia Amazônica, como os vales dos rios Javari, Juruá, Japurá, a serra do Tumucumaque, o Norte do Mato Grosso, só pra citar algumas áreas, que são virtualmente desconhecidas pela arqueologia. Por outro lado, nos locais onde pesquisas mais sistemáticas foram realizadas, como na região de Santarém ou no litoral do Amapá, há bons elementos para sustentar a hipótese de que algumas partes da Amazônia eram densamente ocupadas no século XVI.

Como é a rotina do trabalho?

- Varia muito de caso a caso. Estou no campo agora (no momento da entrevista) em um local perto de Porto Velho com uma equipe pequena de cinco pessoas, mas já coordenei escavações com mais de cinquenta pessoas em um único sítio. É comum que sítios arqueológicos na Amazônia sejam muito grandes, com dezenas de hectares de área e camadas espessas de materiais enterrados. Para trabalhar nesses grandes sítios, são necessárias grandes equipes, o que custa caro. Coordenar um grupo tão numeroso em campo pode ser um pesadelo logístico, já que todos têm que ser alimentados e hospedados, seja em hotéis, pousadas ou acampamentos.

Quais foram as principais descobertas ao longo dos anos?

- Não sei se fiz alguma grande descoberta, mas creio que contribuí para o entendimento da história de formação dos solos extremamente férteis conhecidos como terras pretas, que são típicos da Amazônia. Esses solos, além de férteis, têm uma grande estabilidade, o que faz com que mantenham seus nutrientes mesmo sob condições extremas de erosão.

As informações obtidas sobre as sociedades indígenas que viviam na Amazônia antes da chegada dos portugueses dizem algo sobre o país ou sobre nossa colonização?

- Toda essa noção de diversidade é absolutamente oposta ao que se tem oferecido como proposta para as formas contemporâneas de ocupação da Amazônia: a monocultura, criação extensiva de gado, geração de energia e exploração mineral. Todas essas atividades, aparentemente complexas, são de fato simplificadoras porque reduzem a um número pequeno toda a imensa quantidade de variáveis culturais e biológicas que compõem os sistemas socioambientais tradicionais amazônicos. Não estou obviamente propondo que voltemos a viver como no século XIX, mas me parece muito limitante o que temos tido a capacidade de oferecer. A maior característica dos trópicos é a Biodiversidade na natureza. Cientistas europeus que estiveram na Amazônia nos séculos passados se impressionaram com a quantidade de formas de vida distintas que constituíram, preservadas em cerâmicas elaboradas, aterros geométricos, canais, alinhamentos de pedras etc.

Você diz que as populações prosperavam sem recorrer à agricultura intensiva e aoDesmatamento. Pretende criar um debate ambiental sobre o assunto?

- A natureza que queremos preservar intocada – um mito romântico urbano – já foi modificada no passado. Para um arqueólogo, a presença humana contemporânea nesses locais contribui para a manutenção da diversidade biológica através do manejo. É o caso, por exemplo, dos castanhais, cuja disseminação no passado foi resultado da atividade humana. Castanhais e terras pretas são recursos naturais que têm uma origem cultural. É óbvio, no entanto, que isso só ocorre e pode ocorrer através de formas de ocupação baseadas na exploração diversificada de recursos e não na monocultura.

O que ainda pretende encontrar e/ou descobrir sobre estas sociedades?

- Eu tenho muito interesse em entender como foi o estabelecimento da vida sedentária naAmazônia há cerca de cinco mil anos atrás, porque esse processo ocorreu aparentemente só em algumas áreas e não em outras e é por isso que tenho me dedicado à pesquisa na região do alto Rio Madeira, em Rondônia.

As obras de usinas Hidrelétricas na bacia do Rio Amazonas ou outras ações neste sentido podem impactar os sítios arqueológicos?

- Não só podem, como têm impactado. E o pior é que a destruição do patrimônio arqueológico é definitiva. Não tem mais retorno. Ao contrário de Ecossistemas, que podem, embora sob altos custos, ser reconstituídos, sítios arqueológicos, uma vez destruídos, desaparecem para sempre. A destruição do patrimônio arqueológico é uma tragédia comparável, por exemplo, ao desaparecimento de uma língua indígena.

Eduardo Neves - Professor da USP

Fonte: O Globo - 26/03/2013

0 comentários :

Postar um comentário